Leandro Ribeiro da Silva entrevista

BMS interviews: “the Brazilian music has a growth potential of at least USD 500 million per year”

The next edition of the Brasil Music Summit (BMS) will take place from February 6 to 9, 2019, at Unibes Cultural, in São Paulo. The event, which has the objective of repeating the success of the first edition held in December 2017, gathers debates and business actions on synchronization, music branding, and live music focused on generating opportunities for Brazilians abroad. Several professionals from countries such as the United States and France will be in the capital of São Paulo to close business and exchange ideas with the local public. There will also be a festival open to the final public.

The event – which counts on the support of the Brazilian Trade and Investment Promotion Agency (Apex-Brasil) through the Brasil Music Exchange (BME) – comprises the initiatives of Brasil, Música & Artes (BM&A) to foster music as part of the Brazilian creative economy, an industry still with a lot of growth potential to generate more income and jobs. The project manager at BM&A, Leandro Ribeiro da Silva, explains that the idea of organizing an event in Brazil totally oriented to exports came from the observation of market data and the detection of a gap in the national agenda.

“When comparing Brazil with other nations we realize that we have a lot of growth capacity. The Netherlands, for example, is the 17th world economy and generates USD 1 billion with the music market while Brazil, which is the 9th economy, makes only USD 480 million”, he says. And he concludes by quoting other examples of countries with the same economic strength as ours: “Italy is the 8th economy and has revenues of USD 1.1 billion per year, Canada is 10th and generates USD 1.4 billion per year. With this we see that we have a growth potential of at least USD 500 million per year”.

In the interview below, made by Daniela Reis for the BMS website, Leandro gives more details about the agenda and tips for those who want to participate in the event:

Daniela Reis: Why did you decide to give international focus to the event?

Leandro Ribeiro da Silva: We noticed that there are many music events in Brazil, but no one really with the 100% focus on generating business abroad. And that has been in BM&A DNA for a long time, since we started the Brasil Music Exchange exporting project together with Apex-Brasil in 2003. Besides, we realized that many talents and music entrepreneurs still cannot participate in international fairs. So, our idea is to open up and do something here in our country, to also help those who do not have the opportunity to go outside Brazil.

Daniela: What gives the international feature to the event?

Leandro: For the 2019 edition, we plan to bring a broad delegation of international guests. In the first edition, in 2017, we already had a large group of professionals, such as Yassine Saidi, Global Senior Head of Lifestyle at Puma, Matthieu Darti, co-founder of Antemprima Prime, Marthe-Helene Heraud, music supervisor, Geoff Siegel, Founder and CEO of Fundamental Music, Joel C. High, CEO of Creative Control Entertainment and President of the Guild of Music Supervisors, Samantha Schilling, Director of Creativity at Reel Muzik Werks, Carolina Arenas, Audionetwork Director, Geoffroy de Rougé, International Development Director at Midem, and Frédéric Lagacé, Director at the Rimouski International Jazz Festival.

Now we will further intensify the profiles, including festival programming directors, bookers and labels for the live music part, and music supervisors for the part of synchronization and music branding, and we made partnerships with brands interested in this market.

Daniela: What are the major difficulties you believe exist in these markets?

Leandro: Especially the parts of sync and music branding are still very new in Brazil. That is why even the people who work with advertising have deep knowledge of their characteristics. And, this is what we want to change. We intend to increase opportunities along with the companies, and also show to music professionals that there are other possibilities within what is done today.

In the case of our approach with live music in the international market, programming directors usually love Brazilian music and are willing to bet on new talents or talents already consolidated here in Brazil, but who are not yet present abroad. However, a very big barrier is logistics costs, especially air tickets. Thus, we are already negotiating with all festival programming directors a novelty: for each band chosen, we will contribute with some funds to assist in the process of buying air tickets. With this attitude combined to the quality of our artists, we believe that we will eliminate this barrier and the festivals shall really contract.

Daniela: How is the agenda for next edition, what would you like to highlight?

Leandro: In the last edition, we received many requests to promote a day dedicated to the area of live music. So, we called an experienced associate, who also actively participates in several of our export activities, André Bourgeois of Urban Jungle, to help us with his knowledge, to help bring professionals from abroad, to talk a little about this subject, and to close deals with Brazil. Some confirmed names are: Daniel Seligman, Programming Director of the POP Montréal Festival, Etienne Ziller, Founder of 3 Pom Prod – Booking Agency, Jérôme Gaboriau, Programming Director of the Les Escales Festival, Louis Bellavance, Programming Director of the Festival d’été de Québec, Mathieu Gervais , Programming Director of the Festival Rencontres Trans Musicales, and Maurin Auxéméry, Programming Director of the Montreal International Jazz Festival, among others.

In the area of sync & branding, we continue with the partnership with Mario di Poi, from Inputsom Arte Sonora, who is the curator of this sector and also a professional who has been working hard to help professionals all over Brazil.

Recently, he has been in the United States making contacts with music directors and music supervisors who work especially with audiovisual production and advertising in Hollywood. We already confirmed the presence of professionals who participated in movie tracks like Creed 2 and Next Gen, including Jen Malone, nominated to the Emmy for her role as music supervisor of Atlanta.

Daniela: In the last edition there was an area of showcases that this year you are calling festival. How is that going to work?

Leandro: This year we wanted to increase the area of showcases and call it festival, because it is not a simple showcase – we are talking about having artists that represent the export potential of Brazilian music. Not only to give our international guests more possibility to get to know the artists, but also to offer to the people of São Paulo a unique opportunity to enjoy their favorite artists for free, as well as to meet new names in Brazilian music. We consider that we also have this mission of promoting the names of our music, especially of independent music, inside Brazil itself.

Daniela: Please, comment on enrollments and values.

Leandro: We succeeded in reaching an affordable value for credentials, mainly because of the partnership with Apex-Brasil. I believe this way will not be expensive for music professionals, and will provide the possibility for all interested people to participate. The enrollments are open on the website, with promotional value until December 16.

The advice I give is that anyone who really has an interest in participating already signs up. Besides, we give people who work only in one area, such as live music, or sync & branding, the possibility to attend only on the days we will be talking about these themes (February 6 and 7 – sync & branding, February 8 and 9 – live music).

For associates, we offer the possibility of converting the points of the annual enrollment to be used in BM&A actions, for example, in the credentials for the Brasil Music Summit. A very interesting thing from our meeting is that we also have an online area – BMS Networking, where the accredited can talk to each other, to schedule meetings for example, and thus, to enhance their business possibilities.

ABOUT BME

The Brasil Music Exchange (BME), a Brazilian music internationalization project carried out through a partnership between Brasil, Música&Artes (BM&A) and the Brazilian Trade and Investment Promotion Agency (Apex-Brasil), promotes the Brasil Music Summit.

Leandro Ribeiro da Silva entrevista

BMS entrevista: “a música brasileira tem um potencial de crescimento de pelo menos USD 500 milhões por ano”

A próxima edição do Brasil Music Summit (BMS) acontece de 6 a 9 de fevereiro de 2019, na Unibes Cultural, em São Paulo. O evento, que tem o objetivo de repetir o sucesso da primeira edição realizada em dezembro de 2017, agrega debates e ações de negócios sobre sincronização, music branding e live music com foco em gerar oportunidades para os brasileiros no exterior. Diversos profissionais de países como Estados Unidos e França estarão na capital paulista para fechar negócios e trocar ideias com o público local. Haverá ainda um festival aberto ao público final.

O evento – que conta com o apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) por meio do Brasil Music Exchange (BME) – compõe as iniciativas da Brasil, Música & Artes (BM&A) de fomentar a música como parte da economia criativa brasileira, uma indústria ainda com muito potencial de crescimento para gerar mais renda e empregos. O gerente de projetos da BM&A, Leandro Ribeiro da Silva, explica que a ideia de fazer um evento no Brasil totalmente voltado para exportação surgiu da observação de dados do mercado e da verificação de uma lacuna na agenda nacional.

“Ao compararmos o Brasil com outras nações, percebemos que temos muita capacidade de crescimento em relação ao tamanho do país e à sua grandeza econômica. A Holanda, por exemplo, é 17ª economia mundial e gera USD 1 bilhão com o mercado da música, enquanto o Brasil, que é a 9ª economia, fatura apenas USD 480 milhões”, comenta. E completa citando outros exemplos de países com a mesma força econômica que a nossa: “a Itália é a 8ª economia e fatura USD 1,1 bilhão por ano, o Canadá é 10ª e gera USD 1,4 bilhão por ano. Com isso, vemos que temos um potencial de crescimento de pelo menos USD 500 milhões por ano”.

Na entrevista abaixo, realizada por Daniela Reis para o site do BMS, Leandro dá mais detalhes sobre a programação e dicas para quem quiser participar do evento:

Daniela Reis: Por que vocês decidiram dar foco internacional ao evento?

Leandro Ribeiro da Silva: Percebemos que há muitos eventos de música no Brasil, mas nenhum realmente com o foco 100% em gerar negócios fora. E isso está no DNA da BM&A há muito tempo, desde que iniciamos o projeto de exportação Brasil Music Exchange, em conjunto com a Apex-Brasil, em 2003. Além disso, sabemos que muitos talentos e empreendedores da música não conseguem ainda participar de feiras internacionais. Então, nossa ideia é dar abertura e fazer algo aqui no nosso país, para também para ajudar aqueles que não têm oportunidade de ir para fora do Brasil.

Daniela: O que dá a característica internacional ao evento?

Leandro: Para a edição de 2019, planejamos trazer uma ampla delegação de convidados internacionais. Na primeira edição, em 2017, já tivemos um grande grupo de profissionais, como Yassine Saidi, head sênior global de lifestyle na Puma; Matthieu Darti, co-fundador da Antemprima Prime; Marthe-Helene Heraud, supervisora musical; Geoff Siegel, fundador e CEO da Fundamental Music; Joel C. High, CEO da Creative Control Entertainment e presidente da Guild of Music Supervisors dos EUA; Samantha Schilling, diretora de criatividade da Reel Muzik Werks; Carolina Arenas, diretora da Audionetwork; Geoffroy de Rougé, diretor do desenvolvimento internacional do Midem, e Frédéric Lagacé, diretor do Rimouski International Jazz Festival. Agora, intensificaremos ainda mais os perfis, incluindo programadores de festivais, bookers e selos para a parte de live music, e supervisores musicais para a parte de sincronização e music branding. Também fizemos parcerias com marcas interessadas nesse mercado.

Daniela: Quais são as maiores dificuldades que você acredita existir nesses mercados?

Leandro: Especialmente as partes de sync e music branding, ainda são muito novas no Brasil. Por isso, mesmo as pessoas que trabalham com publicidade, não têm conhecimento profundo de suas características. E é isso que queremos mudar. Pretendemos aumentar as oportunidades junto com as empresas, e também mostrar para os profissionais de música que há outras possibilidades dentro do que é feito hoje.

No caso da nossa abordagem com live music no mercado internacional, normalmente os programadores adoram música brasileira e estão dispostos a apostar em novos talentos ou talentos já consolidados aqui no Brasil, mas que ainda não possuem entrada no exterior. Porém, uma barreira muito grande são os custos de logística, especialmente as passagens aéreas. Desta maneira, já estamos negociando com todos os programadores de festivais uma novidade: para cada banda escolhida, entraremos com algum recurso para auxiliar no processo de compra de passagens aéreas. Com esta atitude combinada à qualidade de nossos artistas, acreditamos que vamos eliminar essa barreira e os festivais devem contratar mesmo.

Daniela: Como está a programação da próxima edição, o que você gostaria de destacar?

Leandro: Na edição passada, recebemos muitos pedidos para que fizéssemos um dia dedicado à área de live music. Então, chamamos um associado experiente, que também participa ativamente de várias de nossas atividades de exportação, o André Bourgeois, da Urban Jungle, para nos auxiliar com seu conhecimento e ajudar a trazer profissionais do exterior para falar um pouco sobre esse assunto e fechar negócios com o Brasil. Alguns nomes já confirmados são: Daniel Seligman, programador do Festival POP Montréal, Etienne Ziller, fundador da 3 Pom Prod – Booking Agency, Jérôme Gaboriau, programador do Les Escales Festival, Louis Bellavance, programador do Festival d’été de Québec, Mathieu Gervais, Programador do Festival Rencontres Trans Musicales e Maurin Auxéméry, Programador do Montreal International Jazz Festival, entre outros.

Na área de sync & branding, a gente continua com a parceria com o Mario di Poi, da Inputsom Arte Sonora, que é o curador desse setor e também um profissional que vem atuando fortemente para ajudar profissionais de todo o Brasil. Recentemente, ele esteve nos Estados Unidos fazendo contatos com diretores musicais e music supervisors que trabalham especialmente com produção audiovisual e publicitária em Hollywood. Já confirmamos a presença de profissionais que participaram das trilhas de filmes como Creed 2 e Next Gen, incluindo Jen Malone, indicada ao Emmy por sua atuação como music supervisor da série Atlanta.

Daniela: Na edição passada havia uma área de showcases que esse ano vocês estão chamando de BMS Festival. Como vai funcionar?

Leandro: Este ano nós quisemos aumentar a área de showcases e chamá-la de BMS Festival, pois não se trata de um simples showcase – estamos falando de ter artistas que representam o potencial de exportação da música brasileira. Não só para dar mais possibilidade dos nossos convidados internacionais conhecerem os artistas, mas também para oferecer aos paulistanos uma oportunidade única de curtir os seus cantores e bandas preferidos de forma gratuita, além de conhecer novos nomes da música brasileira. Consideramos que também temos essa missão de difundir os nomes da nossa música, especialmente da independente, no próprio Brasil.

Daniela: Comente sobre as inscrições e os valores.

Leandro: Conseguimos um valor acessível para as credenciais, principalmente por conta da parceria com a Apex-Brasil. Acredito que dessa maneira não pesará para os profissionais de música, e dará a possibilidade para que todos os interessados possam participar. As inscrições estão abertas no site, com valor promocional até o dia 16 de dezembro. O conselho que eu dou é que quem realmente tiver interesse em participar já se inscreva. Além disso, damos a possibilidade para as pessoas que trabalham só em uma área, como live music, ou sync & branding, de irem apenas nos dias em que falaremos sobre esses temas (6 e 7 de fevereiro – sync & branding, 8 e 9 de fevereiro – live music). Para os associados, damos a facilidade de converter os pontos da anuidade para serem usados nas ações da BM&A, como por exemplo, nas credenciais para o Brasil Music Summit.

Uma coisa que é bem interessante do nosso encontro é que também temos uma área online – o BMS Networking, em que os credenciados conseguem falar entre si, para agendar reuniões por exemplo e, assim, potencializar suas possibilidades de negócios.

SOBRE O BME

O Brasil Music Exchange (BME), projeto de exportação de música brasileira realizado por meio de uma parceria entre a Brasil, Música & Artes (BM&A) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), promove o Brasil Music Summit.

BMS abre inscrições para 2a edição

Brasil Música & Artes opens registrations for the 2nd edition of Brasil Music Summit

Brasil Música & Artes opens registrations for Brasil Music Summit (BMS), an event for music professionals oriented to the generation of international business, which happens in São Paulo at Unibes Cultural from February 6 to 9, 2019. The programming, which has the objective of providing content and generating business, brings a novelty: in addition to the sync and music branding contents debated in the December 2017 edition, there will be two days dedicated to the live music subject. The first lot of registration with discount can be made until December 16 through the website.

The BMS is organized with the support of the Brasil Music Exchange (BME), a Brazilian music internationalization project carried out through a partnership between BM&A and the Brazilian Trade and Investment Promotion Agency (Apex-Brasil).

The curatorship of international guests is led by Leandro Ribeiro, project manager of BM&A, and counts on the voluntary contribution of two important associates of BM&A: the executive director of Inputsom Arte Sonora, Mario Di Poi, a specialist in synchronization and original music, and the executive manager of Urban Jungle, André Bourgeois, a specialist in international career management. This way, both have the assignment of Directors of Programming of BMS: André in relating live music and Mário relating sync and music branding.

“The first edition of BMS was very successful; we received about 250 Brazilian professionals to discuss sync and branding for two days. Many of those who came asked us to include live music in the programming. So we decided to increase to four days, dedicating February 8 and 9 especially to this theme”, says Leandro. And completes: “BMS is the only music event that, although taking place in Brazil, is practically 100% focused on exporting music in its most varied possibilities.”

In the 2019 edition, approximately 30 international professionals are expected to participate not only in the panels, but also in business roundtables, workshops, and networking activities with Brazilian companies. Up to now, eleven names have already been confirmed, six in live music and five in sync and branding.

The sync and branding programming on February 6 and 7 includes music directors and music supervisors who work especially with audiovisual and advertising production in Hollywood, in the United States. It will also count on the presence of the French Benoit Dunaigre, founder and head of sound and music of the agency HAVAS | HRCLS. “Among the names are professionals who have participated in movie tracks like Creed and Next Gen, including Jen Malone, nominated to the Emmy for her role as music supervisor of Creed 2”, details Mario Di Poi.

“In the live music area, we have programming directors from major festivals in France and Canada, such as the Quebec Festival d’été, the Rencontres Trans Musicales Festival, the Les Escales Festival, the POP Montréal Festival, and the Montreal International Jazz Festival. We are looking for even more interesting events from Europe and North America. I am sure that we will generate many opportunities for Brazilians.

Jérôme Gaboriau of Les Escales Festival, for example, has already commented that he wants to select Brazilian bands to perform a special lineup in honor of the country in the next edition”, explains André Bourgeois.

 

Festival

The event will have a festival area, with presentations by Brazilian bands and artists, which will be selected by a curatorship of professionals from the national and international market. In the previous edition, the lineup counted on eight presentations by artists such as Emicida and Bixiga 70. “We realized that one of the main barriers to the presence of Brazilians in international festivals is the need for financial funds for the logistics of the bands. For this reason, BM&A also plans to assist the selected artists during the event”, concludes Leandro.

To apply for the selection to the festival, access the website.

For further information and registration, visit the event’s website.

 

About BME

The Brazil Music Exchange (BME) is a music export aid project developed since 2002 through a partnership between Brazil Music & Arts (BM&A) and the Brazilian Trade and Investment Promotion Agency (Apex-Brasil). For this purpose, BME carries out various business promotion and international image activities.

BMS abre inscrições para 2a edição

Brasil Música & Artes abre inscrições para a 2ª edição do Brasil Music Summit

A Brasil Música & Artes abre inscrições para o Brasil Music Summit (BMS), evento para profissionais de música voltado para a geração de negócios internacionais, que acontece em São Paulo, na Unibes Cultural, de 6 a 9 de fevereiro de 2019. A programação, que tem o objetivo de fornecer conteúdo e gerar negócios, traz uma novidade: além de conteúdos de sync e music branding, debatidos na edição de dezembro de 2017, haverá dois dias dedicados ao tema live music. A primeira leva de credenciamento com desconto pode ser feita até 16 de dezembro pelo site.

O BMS é organizado com o suporte do Brasil Music Exchange, programa de exportação de música brasileira realizado por meio de uma parceria entre a BM&A e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

A curadoria dos convidados internacionais é liderada por Leandro Ribeiro, gerente de projetos da BM&A, e conta com a contribuição voluntária de dois associados importantes da BM&A: o diretor executivo da Inputsom Arte Sonora, Mario Di Poi, especialista em sincronização e música original, e o gerente executivo da Urban Jungle, André Bourgeois, especialista em gestão de carreira internacional. Dessa maneira, ambos têm a atribuição do Diretores de Programação do BMS: André na parte de live music e Mário em sync e music branding.

“A primeira edição do BMS foi muito exitosa, recebemos cerca de 250 profissionais brasileiros para debater sync e branding durante dois dias. Muitos dos que vieram nos pediram para incluirmos live music na programação. Por isso, decidimos aumentar para quatro dias, dedicando 8 e 9 de fevereiro especialmente para esse tema”, detalha Leandro. E completa: “o BMS é o único evento de música que, embora aconteça no Brasil, tem foco praticamente de 100% em exportação de música nas suas mais variadas possibilidades”.

Na edição 2019, está prevista a presença de aproximadamente 30 profissionais internacionais, que participarão não só dos painéis, mas também das rodadas de negócios, workshops e ações de networking com empresas brasileiras. Até o momento, onze nomes já estão confirmados, seis em live music e cinco em sync e branding.

A programação de sync e branding, nos dias 6 e 7 de fevereiro, inclui diretores musicais e music supervisors que trabalham especialmente com produção audiovisual e publicitária em Hollywood, nos Estados Unidos. Também haverá a presença do francês Benoit Dunaigre, fundador e head de som e música da agência HAVAS | HRCLS. “Entre os nomes, estão profissionais que participaram das trilhas de filmes como Creed e Next Gen, incluindo Jen Malone, indicada ao Emmy por sua atuação como music supervisor de Creed 2”, detalha Mario Di Poi.

“Na área de live music, temos diretores de programação de importantes festivais da França e do Canadá, como o Festival d’été de Québec, Festival Rencontres Trans Musicales, Les Escales Festival, Festival POP Montréal e Montreal International Jazz Festival. Estamos buscando ainda mais eventos interessantes da Europa e da América do Norte. Tenho certeza que geraremos muitas oportunidades para os brasileiros. Jérôme Gaboriau do Festival Les Escales, por exemplo, já comentou que deseja selecionar bandas brasileiras para realizar um lineup especial em homenagem ao país na próxima edição”, explica André Bourgeois.

 

Festival

O evento terá uma área de festival, com apresentações de bandas e artistas brasileiros, que serão selecionados por uma curadoria de profissionais do mercado nacional e internacional. Na edição anterior, o lineup contou com oito apresentações de artistas como Emicida e Bixiga 70.

“Percebemos que uma das principais barreiras para a presença de brasileiros em festivais internacionais é a necessidade de recursos financeiros para a logística das bandas. Por isso, a BM&A também tem planos de auxiliar os artistas selecionados durante o evento”, finaliza Leandro.

Para se inscrever na seletiva para o festival, acesse o site.

Para mais informações e inscrições, visite o site do evento.

 

SOBRE O BME

O Brasil Music Exchange (BME) é um projeto de auxílio à exportação de música desenvolvido desde 2002 por meio de uma parceria entre a Brasil Música & Artes (BM&A) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Para essa finalidade, o BME realiza diversas atividades de promoção de negócios e imagem internacional.